Sintomas e tratamentos para Hiperidrose

Descubra os sintomas e as opções para tratamento da hiperidrose

A ciência já comprovou que suar é algo essencial para manter o controle de temperatura interno do corpo humano. Isso porque quando a temperatura aumenta, os centros cerebrais com a responsabilidade de equilibrar termicamente o organismo, reconhecem essa elevação. E, consequentemente, o individuo começa a suar e a evaporação da água que se concentrou na sua pele acaba por diminuir essa sensação de calor latente.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o suor em excesso e até em mesmos de repouso não é uma condição normal para o ser humano. Portanto, a hiperidrose acontece quando gera o suor em excesso, fazendo com que o paciente possa realmente suar muito quando está descansando e até dormindo.

Vale reforçar que suar é algo totalmente habitual e necessário para a integridade física. As pessoas transpiram quando a temperatura está muito elevada, quando estão praticando algum exercício físico e em alguns momentos específicos, como em instantes de tensão, adrenalina, estresse e raiva.

Todavia, o suor excessivo ocorre sem a interferência de qualquer um desses elementos. Já que as glândulas sudoríparas dos pacientes são hiperfuncionantes. Portanto, a hiperidrose pode ter a ver com diversos fatores, como questões emotivas, herança familiar e outras enfermidades. Além disso, esse problema se manifesta em determinadas partes do corpo, como axilas, palmas das mãos, rosto, cabeça, plantas dos pés e virilha.

Quando ocorre o suor extremo, o paciente pode se sentir realmente embaraçado, desconfortável, ficar ansioso e até com dificuldades sociais. Ou seja, a hiperidrose é capaz de impactar negativamente todos os aspectos do cotidiano de um individuo desde a seleção de uma carreira profissional, as opções de lazer, relações amorosos, amizades, autoconfiança e autoestima.

Principais sintomas da hipeidrose

Ainda conforme a SBD, o principal sinal da ação da hiperidrose tem a ver com o suor exagerado tanto em todo o corpo ou somente em algumas regiões, como a face, debaixo dos braços, nas mãos, nos pés, etc. Todavia, esses sinais podem oscilar em função dos tipos da hiperidrose: a primária focal e a secundária generalizada.

Hiperidrose primária focal

A hiperidrose primária focal costuma surgir nos primeiros anos de vida e na transição para a juventude, especialmente, na face, na cabeça, nas axilas, nas mãos e nos pés. Os pacientes não transpiram quanto estão dormindo e tampouco descansando.

Geralmente, há mais integrantes da mesma família com essa doença. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, esse tipo atinge até 3% da população, só que menos de 40% dos casos recebem algum tipo de atenção médica. Ou seja, os pacientes não buscam pelo tratamento adequado.

Hiperidrose secundária generalizada

Já a Hiperidrose secundária generalizada é provocada por uma questão clínica ou como alguma consequência colateral do uso de remédio. Diferente da hiperidrose focal primária, os pacientes com esse tipo transpiram em todas as partes do corpo e até mesmo em algumas áreas inusitadas.

O diferencial entre esses dois tipos de hiperidrose é que os pacientes da secundária correm o risco de suar muito até mesmo quando estão adormecidos. Esse problema tende a se

manifestar na fase adulta.

Até o momento, há duas formas de averiguar a parte afetada diretamente pela doença: o teste amidoiodo, que tem a ver com a aplicação de uma solução de iodo no canto do corpo suado. E, depois de secar, o amido é aspergido em cima do local. A mistura do amido e do iodo com a transpiração na área gera uma tonalidade azul escurecida.

A outra maneira é o papel de teste. Isso quer dizer que um papel diferenciado é deixado em cima da região impactada com a intenção de absorver a transpiração. Após finalizar essa etapa, o papel é pesado. Quanto mais pesado o papel estiver, mais transpiração se sugou.

Como minimizar os efeitos da hiperidrose?

O primeiro passo para buscar um procedimento adequado para conter os efeitos da hiperidrose é determinar a causa da condição, encontrando alguma doença ou utilização de remédio para hiperidrose, o que pode resultar na hiperidrose secundária generalizada. Com relação à hiperidrose primária, há algumas maneiras disponíveis para suavizar os seus efeitos.

Conforme os especialistas, o paciente tende a aprender a diminuir a taxa de ansiedade, o que minimiza os sintomas e reduz a intensidade da transpiração. Todavia, há momentos que acabam por desencadear reações naturais de estresse, medo, nervosismo e ansiedade no dia a dia das pessoas. Por isso, dá para contar com alguma ajuda para manter a qualidade de vida.

Oa remédioa para hiperidrose indicado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia são os anticolinericas, iontoforese (procedimento que utiliza eletricidade para desligar as glândulas de suor), a toxina botulinica para bloquear a sudorose, procedimentos cirúrgicos em casos mais severos, curetagem e, principalmente, a aplicação de desodorantes antitranspirantes.

Neste último caso, os antitranspirantes auxiliam consideravelmente no controle do suor excessivo, bem como impedem a formação daquele odor desagradável. Entre os antitranspirantes, o Odaban desponta como uma boa opção por não exigir prescrição médica e ser devidamente aprovado pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Portanto, esse é o remédio para hiperidrose altamente prescrito por dermatologistas em todo o mundo!

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Posts Recentes

WhatsApp chat